terça-feira, 15 de julho de 2014

A IDADE E O TEMPO

UMA PARTEIRA NO MEIO DA FLORESTA E DO RIO MARINHEIRO COM O RIO AMAZONAS....



HISTÓRIA DE UMA PARTEIRA




“Minha história”...

O parto mais difícil da minha vida ocorreu há 13 anos atrás, na comunidade de São João Batista. Estava em casa quando o senhor EDINALDO veio me chamar, para atender à senhora, Maria Ileny Mira Barbosa que se encontrava em trabalho de parto. Rapidamente peguei minha Bolsa de Parteira e fui atendê-la, chegando lá a Bolsa já tinha estourado, então ajeitei a paciente e depois a grande surpresa e em vez da cabeça do bebê, lá estava uma MEMBRANA CHAMADA PELAS PARTEIRAS (película), o cordão umbilical estava enrolado no pescoço da criança. Primeiro passo rasquei a membrana que logo sai a cabeça do bebê, desenrolei o cordão umbilical do pescoço da criança e por fim nasceu o bebê saudável.

Houve ainda no dia 23 de Dezembro de 1998 por volta das 21hs a senhora GRACIONETE VIANA CORRÊA, estava para entrar em trabalho de parto, então o senhor AUGUSTO veio me chamar para atende lá e, lá fui eu outra vez atender outra paciente, ajeitei a mesma e a BOLSA ESTOUROU, começou as contrações e nada, depois de alguns minutos percebi que tinha algo de errado. Então pedi ao senhor AUGUSTO para buscar uma segunda parteira para ajuda-me, chegou a segunda parteira. Viu a paciente naquela situação apreensiva com muita dor, as contrações vinham a paciente fazia de tudo e nada da criança nascer.

Depois de horas a surpresa o bebê encontrava-se na POSIÇÃO DE PÉ, então veio primeiro o pé, foi preciso empurrar o primeiro pé e logo em seguida vieram os dois pés, só que um dos pés encontrava-se roxo e ainda mais uma luta saíram os pés e o bebê ficou preso no tórax. A mãe já sem forças lutou... lutou buscou forças e graças a Deus nasceu o bebê 5h30min, muito fraca, pensei que estava morta. Foi então que precisei fazer um RITUAL que usamos, BATER O PRATO PARA A CRIANÇA DESPERTAR, COM SUCESSO O RITUAL como sempre funcionou, a criança chorou, a criança demorou nascer, mas nasceu saudável e o melhor com vida.

 

Parteira


TEREZIRA MIRA BARBOSA DA COMUNIDADE DE SÃO JOÃO BATISTA, NO ARQUIPÉLAGO DO BAILIQUE.



BAILIQUE-AP, 10 DE JULHO DE 2014.





Parteira Terezita Mira Barbosa nasceu: 21 de Dezembro de 1942

Endereço: Comunidade de São João Batista

Parto feito: 16 partos




Suzana Barbosa de Jesus

Nasceu 09 de junho de 1996 às 13h e pesou 2,370kg.

Hosana Barbosa de Jesus

Nasceu 22 de dezembro de 1993 às 9h30min e pesou 2,900kg.

Edinaldo Corrêa de Jesus Junior

Nasceu 24 de junho de 1998 às 02h da manhã e pesou 3,380kg.

Edson Barbosa de Jesus

Nasceu 17 de novembro de 2000 às 05h20min e pesou 2.850kg.

Mayra Andressa Rocha Alves

Nasceu 15 de junho de 2005 às 04h e pesou 3,250kg.

Diogenes Barbosa dos Santos Filho

Nasceu 08 de janeiro de 1993 às 9h e pesou 2,900kg.

Derinaldo Barbosa dos Santos

Nasceu 05 de fevereiro de 1995 às 22h e pesou 3,200kg.

Diney Barbosa dos Santos

Nasceu 20 de maio de 1997 às 14h e pesou 3,250kg.

Deo Barbosa dos Santos

Nasceu 17 de janeiro de 1988 às 08h e pesou 2.600kg.

Luiza Mira Rocha

Nasceu 09 de setembro de 1981 às 14h e pesou 2,900kg.

Mara Lucia Mira Barbosa Rocha

Nasceu 17 de junho de 1988 às 15h25min e pesou 3.250kg.

Janaina Mira Rocha

Nasceu 14 de novembro de 1990 às 12h e pesou 3.250kg.

Jovanno Mira Rocha

Nasceu 26 de fevereiro de 1979 às 04h e pesou 3,200kg.

Cristina Wana Barbosa

Nasceu 23 de dezembro de 1998 às 05h30min e pesou 2,700kg.

Eliana Mira Rocha

Nasceu 12 de agosto de 1980 às 05h e pesou 3,100kg.
Jeovana Mira Rocha.


ARQUIVO/POSTAGEM: PROFESSOR/PESQUISADOR: NONNATO RIBEIRO.
- 07 A 11 DE JULHO DE 2014.
LOCAL: ESCOLA BOSQUE/ARQUIPÉLAGO DO BAILIQUE.

terça-feira, 13 de maio de 2014

DIA INTERNACIONAL DAS PARTEIRAS

 
AGORA É VEZ DO MUNICÍPIO DE SANTANA...

História de vida: “governo valoriza o dom que Deus nos deu”, afirma parteira recordista do Amapá.







A secretária de Inclusão e Mobilização Social (SIMS), Cláudia Camargo, que, juntamente com a deputada federal Janete Capiberibe, participou do evento em Santana, reafirmou o compromisso do governo com as parteiras.




Em uma das madrugadas do mês de abril de 1974, na Foz do Maracá, município de Mazagão, a agricultora Oscarina Ramos dos Santos foi chamada às pressas para acudir uma vizinha que estava prestes a dar à luz. Depois de aproximadamente duas horas de agonia, veio o alívio. Era um bebê menino, que foi posto no colo da mãe.


Naquele dia, que a agricultora não lembra ao certo a data, nascia não somente mais uma criança, mas também uma nova profissional: a parteira Oscarina. Aquela foi a primeira das 304 vidas que ela ajudou a vir ao mundo ao longo dessas quatro décadas na atividade. 
Ela é considerada uma recordista entre as colegas de trabalho. "Ainda não encontrei ninguém que tenha ajudado a parir mais do que eu", orgulha-se da incrível marca.


 História de Oscarina simboliza a importância de uma das categorias cada vez mas valorizadas pelo Governo do Estado: as parteiras tradicionais

                                     - Oscarina corroborou com o discurso da secretária. "Foi Deus que nos deu esse dom de ajudar a dar à luz e o governo do (governador) Camilo tem valorizado esse dom com tudo que tem feito por nós parteiras", confirmou.


A história de Oscarina simboliza a importância de uma das categorias cada vez mais valorizadas pelo Governo do Estado: as parteiras tradicionais. Ela e outras 150 mulheres estiveram presentes na festa de encerramento da semana em homenagem à categoria, realizada na manhã deste sábado, 10, em Santana, na Escola Afonso Arinos. Promovida pela Secretaria de Estado da Inclusão e Mobilização Social (SIMS), a programação iniciou na última segunda-feira, 5, Dia Internacional das Parteiras – instituído pela Organização Mundial de Saúde (OMS) desde 1991.

 
 
"O governador Camilo Capiberibe retomou a valorização dessas profissionais, que estavam esquecidas na gestão passada. Através da SIMS, o governo oferece capacitação e os kits parteiras, que ajudam a desenvolver o trabalho de forma mais eficiente nos   
lugares mais longínquos do Amapá", observou Cláudia Camargo. Ela também lembrou que as parteiras terão um espaço garantido na Maternidade de Parto Normal, que está sendo construído pelo governo na Zona Norte de Macapá.

  


A primeira da dama e secretaria de inclusão e mobilização social: Claudia Camargo Capiberibe, tingiu elogios as parteiras tradicionais do município de Santana (15km da capital/Macapá) no dia 10 de maio de 2014.





  


Durante o evento em Santana, as parteiras e a comunidade tiveram os serviços de mesoterapia e corte de cabelo à disposição.






















ARQUIVO/POSTAGEM: PROFESSOR/PESQUISADOR: NONNATO RIBEIRO.
MATERIAL PUBLICADO POR: Elder de Abreu (elderdeabreu@hotmail.com).
Da Redação - Agência Amapá